Estamos preparando um novo site, enquanto isso, leia mais sobre a nova marca.

Mapa de Fomento Sustentável

Oportunidade de fomento para projetos de impacto no Brasil.

Compartilhe:


A ABGI formulou o Mapa de Fomento que compila as principais oportunidades de fomento para PD&I, públicos e privados, que podem apoiar as universidades, instituições de pesquisa, e empresas, de todos os portes e setores.

Agora criamos o Mapa de Fomento Sustentável, apresentando as oportunidades exclusivas para projetos de impacto. Estamos constantemente estudando para entender e compartilhar como as empresas podem levantar recursos.

Fundos Verdes

Os Fundos Verdes são investimentos paraempresas em estágio inicial ou maduro com soluções de alto impacto sustentável, através da compra de ações ou outro valor mobiliário. Além do aporte de capital, as empresas passam a contar com o apoio estratégico dos gestores dos fundos de investimento. As principais modalidades englobadas nesta categoria são descritas a seguir:

  • Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDCs)

Fundos de investimento em renda fixa constituídos por múltiplos cotistas,nos quais os ativos são provenientes de créditos que a empresa tem a receber. Logo, a empresa consegue antecipar o recebimento destes recursos em troca de uma taxa de desconto que, por outro lado, remunera os cotistas do fundo. Grandes empresas estão utilizando esta modalidade para criar fundos sustentáveis.

  • Fundos de Índices (ETFs)

Os fundos de índices, conhecidos como ETFs (Exchange Traded Fund, em inglês), investem em uma carteira de ações que busca replicar o desempenho de um determinado índice. Em linhas gerais, os ETFs possuem taxa de administração inferior a outros tipos de fundos, além de tributação de imposto de renda exclusiva de 15% sobre os ganhos. Dois índices sustentáveis guiam a formatação de ETFs focados em questões socioambientais: o Índice de Sustentabilidade empresarial (ISE) e o Índice Carbono Eficiente (ICO2).

  • Fundos de Investimentos em Participações (FIPs)

Os FIPs permitem investimentos em companhias abertas, fechadas ou sociedades limitadas. Tais investimentos se revelam um interessante instrumento para adquirir títulos ou ações de empresas de gestão e negócios florestais. Os FIPs florestais têm múltiplos impactos positivos: reduzem emissões de carbono, aumentam a recuperação e a conservação das florestas e dos seus recursos naturais e incentivam a produção de madeira de forma sustentável.

  • Fundos de Private Equity de impacto

Os fundos de Private Equity (PE) de impacto investem diretamente em empresas fechadas (isto é, não listadas em bolsa) ou oferecem linhas de créditos privadas. Eles são usados para financiar projetos com impacto socioeconômico relevante para famílias de baixa renda e que incentivem a utilização mais eficiente dos recursos naturais.

Empréstimos/Financiamentos Verdes

Oportunidades lanOportunidades lançadas por bancos privados ou de órgãos de fomento públicos, com a finalidade de financiar projetos de inovação com soluções sustentáveis ou que promovam a sustentabilidade, como projetos de eficiência energética, saneamento, recuperação de biomas, entre outros.

Crédito de Carbono

Mercado de créditos entre empresas e países que buscam se manter dentro dos limites estipulados de emissões de gás carbônico, de acordo com normas nacional e internacionais, por meio de uma lógica compensatória, qual adquirem a cota não utilizada de outras empresas e países na forma de créditos de carbono.

Títulos (bonds)

É considerado um instrumento de renda fixa, na qual o emissor do título capta um valor fixo de recursos financeiros de investidores durante um período previamente definido. Para restituir o capital ao investidor ocorre a remuneração por meio do pagamento de juros ao longo do período. A principal diferença entre os tipos de títulos são o foco de alocação dos recursos.

Atualmente, há no mercado alguns títulos de dívidas que são emitidos com o objetivo de captar recursos para investimentos em projetos de PD&I, impacto sustentável e/ou social. A principal diferença entre estes títulos são o foco de alocação dos recursos, como veremos a seguir:

  • Blue Bonds

São títulos de dívida que só podem ser usados para financiar projetos para saúde dos oceanos e economias azuis (Portos e remessas; Reabilitação de rios de drenagem oceânica; Resíduos sólidos; Gestão e economia circular; Águas residuais e saneamento; Gestão e restauração de ecossistemas; Turismo costeiro e marinho; Energias marinhas renováveis; Aquicultura e pesca).

  • Brown Bonds

Também conhecidos como Títulos de Transição, são títulos de dívida destinados às empresas em setores “marrons” – aqueles que geram emissões significativas – levantem fundos para financiar a transição para modelos sustentáveis.

  • Climate bonds

São títulos de dívida que só podem ser usados para projetos têm benefícios ambientais e/ou climáticos.

  • Debêntures incentivadas

Títulos de renda fixa emitidos com finalidade a de captar recursos para projetos específicos e de interesse para o desenvolvimento do país. Para promover a compra destes títulos, o Governo Federal não cobra Imposto de Renda sobres estes valores, por isso são estes títulos são chamados de “incentivados”.

  • Green Bonds

São títulos de dívida que só podem ser usados para financiar investimentos considerados sustentáveis – como, por exemplo, infraestrutura de energia limpa e renovável, transporte verde e projetos capazes de reduzir emissões e o consumo de água, energia e matérias-primas, projetos esses muitas vezes impulsionados pelas atividades de PD&I.

  • Green Covered Bonds

São títulos de dívida exclusivamente aplicados para financiar ou refinanciar, parcial ou totalmente, construções verdes, podendo ser novas ou a adaptação de construções existentes.

  • Green Supply Chain Bonds

São títulos de dívida que só podem ser usados para financiar o desenvolvimento de cadeias de suprimentos com objetivo de incentivar mudanças, ao incorporar fatores de sustentabilidade em seus negócios.

  • Orange Bonds

São títulos de dívida que só podem ser usados para financiar projetos ou indústrias/empresas classificadas como criativas e/ou culturais.

  • ODS Bonds

São títulos para o levantamento de capital destinado a atividades verdes, sociais ou climáticas novas ou existentes vinculadas com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU).

  • Social Bonds

São títulos de dívida que só podem ser usados para financiar investimentos em projetos com impacto social, como por exemplo, infraestrutura básica (acesso a água potável, saneamento básico, transporte e energia), acesso a serviços essenciais (saúde, educação e treinamento vocacional), habitação, geração de emprego, inclusão social, diversidade e segurança alimentar.

  • Sustainability Bonds

São títulos de dívida que só podem ser usados para projetos sustentáveis, devendo ser uma combinação de projetos verdes e sociais. Os projetos elegíveis a Títulos de Sustentabilidade também devem estar alinhados com os quatro princípios dos Green Bonds e dos Social Bonds definidos pela ICMA – International Capital Market Association.

  • Sustainability-Linked Bonds

São títulos de dívida que só podem ser usados para projetos sustentáveis, mas sem restrições sobre como o recurso deve ser usado. Esta flexibilidade permite que novos emissores obtenham financiamento sustentável, que por algum motivo não atendem as condições para emitir um título verde.

São várias as oportunidades disponíveis para incentivar o investimento em projetos de inovação e impacto, porém são desconhecidas pelas empresas. Por isso a importância de conhecê-los e os utilizarem de forma continua pelas empresas, formando um Mix de Fomento sustentável.

Sua empresa já utilizou alguma destas oportunidades?


Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Ir para o topo

Contato

Tem alguma dúvida? Estamos aqui para ajudar!

Entre em contato