Estamos preparando um novo site, enquanto isso, leia mais sobre a nova marca.

Oportunidades de fomento para o setor alimentício

A indústria de alimentos e os desafios dos próximos anos

Compartilhe:


Rascunho automático 24

A indústria alimentícia possui um desafio a ser enfrentado nos próximos anos: atender à crescente demanda por alimentos, já que a previsão é que a população chegará em 10 bilhões em 2050, segundo a ONU.

A esta demanda devem ser somados fatores importantes para que o setor desenvolva novas soluções: questões ambientais, como a redução do desmatamento e da poluição, principalmente a redução dos gases que causam o efeito estufa e que consequentemente altera o clima. Estes fatores afetam diretamente o setor agropecuário, principal fornecedor da indústria alimentícia. E um último fator a ser somado aos desafios da indústria alimentícia, e não menos importante: a mudança dos hábitos alimentares do consumidor!

Diversas ações têm sido convergidas para superar os desafios tanto a nível mundial quanto no Brasil! E a inovação tecnológica é o caminho que tem levado o setor a buscar novas soluções.

Inovação e tendências do setor alimentício

A inovação do setor alimentício está voltada para a pesquisa de tecnologias aplicadas aos alimentos, o que permite: seu armazenamento por um período de tempo maior que o do produto in natura; a incorporação de substâncias que tragam benefícios à saúde do consumidor; bem como a facilidade em seu preparo. As tecnologias vêm sendo aprimoradas desde a pré-história, permitindo significativos avanços nos tempos atuais, principalmente relacionados à processos mais eficientes e sustentáveis, atendendo à necessidade da redução do consumo de água, de uma maior eficiência energética e do reaproveitamento de resíduos.

Novos produtos, processos ou tecnologias devem ser desenvolvidos a partir de uma diretriz: as preferências e o comportamento dos consumidores, que, segundo estudos do Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITAL), estão voltadas para:

  • Sensorialidade e Prazer: demanda de alimentos saborosos, com características premium e gourmet;
  • Saudabilidade e Bem-estar: demanda por alimentos mais nutritivos, com propriedades funcionais que tragam benefícios à saúde e bem-estar do consumidor;
  • Conveniência e Praticidade: demanda por alimentos prontos, semiprontos ou de fácil preparo;
  • Confiabilidade e Qualidade: demanda por alimentos que possua certificado de qualidade, rastreabilidade e transparência quanto à forma de preparo e ingredientes utilizados;
  • Sustentabilidade e Ética: demanda por alimentos produzidos com um propósito, como causas sociais e ambientais. Os produtos devem apresentar informações referente à forma de fabricação, características e origens dos ingredientes, bem como as embalagens utilizadas.

À essas tendências devem-se somar os avanços tecnológicos que a Indústria 4.0 tem proporcionado para a geração das inovações. Internet das coisas, Big Data, Inteligência Artificial, Manufatura Aditiva e Robótica são exemplos de tecnologias que deverão ser incorporadas não somente ao processo produtivo, mas em diferentes áreas da empresa e também da cadeia produtiva. E essas tecnologias têm sido primordiais para o desenvolvimento não somente das inovações de uma empresa mas para a economia em nível mundial.

E quais são as ações necessárias para que novos produtos cheguem até os consumidores?

Para que as inovações do setor alimentício cheguem até os consumidores, é necessário que as empresas realizem intensa atividade de pesquisa e desenvolvimento. Estudos conceituais, simulações, prototipagem, testes experimentais, investimentos em equipamentos, adaptação de processos e desenvolvimento de competências fazem parte do processo de inovação. E neste contexto, os recursos financeiros são imprescindíveis e, muitas vezes escassos, inviabilizando projetos com proposta de soluções inovadoras. Além disso, e no caso de priorização do portfólio de projetos de uma empresa, a incerteza e o risco de insucesso de projetos inovadores, principalmente os de alta complexidade, são decisivos para a não aprovação destes.

Apesar do investimento em Pesquisa e Desenvolvimento ser de aproximadamente 3% do faturamento anual, segundo dados da ABIA (Associação Brasileira da Indústria de Alimentos), o setor precisa de apoio financeiro para o processo de inovação. Dentre as possibilidades podemos citar:

  • A inovação aberta, contando com parceiros, como startups e centros de pesquisa, para acelerar a etapa de desenvolvimento e implementação de novas tecnologias;
  • E a utilização de fontes de fomento do governo disponíveis para acelerar o desenvolvimento de projetos ou linhas de pesquisa da empresa.

Oportunidades de fomento para o setor alimentício

O governo brasileiro tem um papel fundamental ao apoiar fases de maior risco de um projeto de inovação, como a pesquisa e o desenvolvimento. O mapa a seguir, elaborado pela ABGI, consolida as diferentes modalidades de apoio para as empresas:

Mapa de Fomento à Inovação 2
Fonte: ABGI Brasil

Através dos órgãos de fomento, como BNDES e FINEP, o governo oferece diferentes formas de estimular a inovação, seja através de apoio financeiro direto ou indireto e de outras formas de apoio.

Como oportunidade para o setor alimentício otimizar os custos com PD&I, a ABGI mapeou alguns dos atuais instrumentos de apoio à inovação existentes no Brasil. Vale mencionar que cada instrumento possui sua particularidade, e envolve o tipo de recurso (não reembolsável, reembolsável e recursos humanos), o público alvo (especificando, se for o caso, o porte da empresa contemplada com o recurso), se há necessidade de parcerias (empresas e universidade/ICT/Startup), a condição do apoio e os itens financiáveis.

BNDES Finem Inovação

O BNDES apoia empresas nacionais no fortalecimento de suas capacitações e parcerias com seus fornecedores de máquinas, químicos e embalagens. O programa BNDES Finem é uma linha de financiamento acima de R$ 10 milhões voltadas para projetos de investimento em inovação. Ele tem como objetivo apoiar o aumento da competitividade por meio de investimentos em inovação disruptiva ou incremental de produto, processo e marketing, conforme estratégia de negócios da empresa.

Oportunidades de fomento para o setor alimentício 1

Finep Inovação e Finep Conecta

O apoio da Finep abrange todas as etapas e dimensões do ciclo de desenvolvimento científico e tecnológico: pesquisa básica, pesquisa aplicada, inovações e desenvolvimento de produtos, serviços e processos. As empresas interessadas em obter crédito podem apresentar seus Planos Estratégicos de Inovação à Finep a qualquer tempo.

O programa Finep Inovação apresentado abaixo mostra os principais itens financiáveis e condições de apoio:

Já o Programa Finep Conecta se destina a apoiar Empresas Brasileiras que tenham projetos em parceria com ICTs e que possuam elevado grau de inovação e potencial de geração de externalidades. A Financiadora criou este programa por considerar que as Instituições de Pesquisa e as Universidades possuem grande valor potencial às empresas, especialmente quanto a recursos humanos de qualidade, infraestrutura de pesquisa avançada e tecnologias disponíveis para transferência e licenciamento.

Para as empresas, a Finep considera que um maior grau de cooperação alavanca o acesso a tecnologias e conhecimentos, favorecendo o desenvolvimento de inovações mais disruptivas. Já para as Instituições Científicas, Tecnológicas e de Inovação e Universidades, essa cooperação pode significar o desenvolvimento de pesquisas mais relevantes, melhor qualificação de seus pesquisadores, além de uma fonte adicional de recursos.

Finep IoT

Como mencionamos, as tecnologias da chamada Indústria 4.0 proporcionam o desenvolvimento da economia em nível mundial. E devido à importância do tema, é de se esperar que haja programas de apoio do governo às empresas.

O Finep IoT tem como objetivo financiar empresas para a execução de Planos Estratégicos de Inovação (PEIs) e projetos que resultem em inovações de produtos, processos e serviços baseados em tecnologias digitais – tendo como referencial o conceito de Internet das Coisas e demais tecnologias habilitadoras da Manufatura Avançada. O programa apoia médias e grandes empresas em diferentes fases do PD&I, que vai da pesquisa aplicada à produção pioneira.

Embrapii

O programa da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) visa promover a inovação nas empresas, explorando a competência de instituições de pesquisa. As empresas não precisam passar por um edital de seleção do projeto de inovação que desejam desenvolver, mas devem procurar as instituições de pesquisas credenciadas que irão avaliar a aderência do projeto aos objetivos do programa e às linhas de pesquisa apoiadas. No site é possível consultar todas as Unidades do Embrapii com competências aderentes ao setor alimentício. Vale destacar que a empresa parceira e a instituição de pesquisa são titulares das Propriedades Intelectuais resultantes na proporção de 50% e 50% dos recursos aplicados nos projetos.

O aporte financeiro da empresa é de no mínimo 1/3 do projeto. As etapas de PD&I apoiadas vão desde a pesquisa aplicada, passando pelo desenvolvimento experimental, até a fase de escalonamento industrial. Uma das principais vantagens da Embrapii é que cada empresa pode apresentar a sua necessidade para a instituição de pesquisa e desenhar a solução de forma conjunta e com custos compartilhados.

A figura a seguir cita algumas unidades com competências voltadas para as tecnologias utilizadas na indústria 4.0.

Uma outra forma de incentivo ao desenvolvimento de projetos de inovação nas empresas se refere à concessão de bolsas para ampliar o número de profissionais qualificados em projetos de inovação.

Inova Talentos

O programa Inova Talentos é uma parceria entre CNPq, MCTIC e IEL e apresenta diversos benefícios. O programa tem como objetivo principal capacitar os profissionais em atividades de inovação no setor empresarial brasileiro e estimular a indústria a manter-se competitiva, diversificada e inovadora. Nele, as empresas enviam seus projetos de inovação para o IEL, sendo avaliados por uma comissão nacional formada por membros do CNPq e especialistas em inovação. Estando o projeto selecionado, os novos talentos poderão candidatar-se aos desafios propostos e enviar suas soluções. Há uma capacitação dos tutores das empresas para orientar os bolsistas, sendo estes integrados em uma rede voltada para inovação. Como próximos passos, tutores e novos talentos irão elaborar, validar o projeto de inovação com o IEL e desenvolvê-lo. Como aporte, a empresa irá pagar a bolsa do profissional conforme sua modalidade.

Inova Global

O programa visa promover intercâmbios profissionais para a execução de projetos empresariais de inovação, por meio de concessão de bolsas de formação e capacitação, tanto no exterior, quanto no Brasil. O objetivo principal é auxiliar a indústria brasileira na construção de conhecimento aplicável e na consolidação de parcerias internacionais.

O Inova Global conecta a indústria brasileira a parceiros internacionais de referência em inovação e oferece banco de talentos para seleção de pesquisadores. Para participar, é preciso apresentar um projeto de inovação prevendo a viagem de um bolsista para intercâmbio em outra empresa ou o recebimento de um pesquisador estrangeiro. Durante todo o processo, a empresa recebe o apoio do IEL, desde a escolha do bolsista até a execução do plano de trabalho.

Estes são exemplos de alguns instrumentos de apoio disponíveis às empresas e que podem auxiliar na viabilidade para o desenvolvimento de projetos de inovação do setor alimentício, inclusive para projetos voltados ao tema Indústria 4.0. E considerando as diferentes oportunidades de fomento, sugerimos uma análise detalhada de fatores internos e externos, como a estratégia da empresa e as condições de cada edital, para a escolha do fomento que melhor se adeque ao projeto de inovação da empresa. Uma dica importante: é possível obter diferentes fontes de fomento para captar recursos para o desenvolvimento de um mesmo projeto. Com isso, a empresa otimiza seus investimentos em inovação e aumenta a possibilidade de desenvolvimento de projetos mais disruptivos.

A ABGI tem grande experiência em apoiar as empresas na identificação de projetos de PD&I, combinado as diferentes oportunidades de recursos financeiros, bem como na estruturação de processos e ferramentas para priorização dos projetos de PD&I das empresas. Ficou interessado? Entre em contato conosco e conheça as principais oportunidades de recursos financeiros para apoiar a estratégia de transformação da sua empresa.


Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Ir para o topo

Contato

Tem alguma dúvida? Estamos aqui para ajudar!

Entre em contato