Tecnologia da Informação e Comunicação: o setor do futuro

Recursos para um dos setores que mais cresce no país

Compartilhe:


 

 

Um importante fator para criação de ecossistemas de inovação é a interação entre todos seus atores, principalmente a aproximação da academia com um mercado, com objetivo de  desenvolver melhores soluções para os problemas e necessidades da sociedade. Sabe-se que o desenvolvimento de um projeto demanda algum tipo de conhecimento. Nesse sentido, as inovações têm um papel importante, porque são derivadas da aquisição de novos conhecimentos ou de conhecimentos pré-existentes aplicados de formas diferentes.

O potencial disruptivo das atuais ondas de inovação tecnológica relacionadas às Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), trouxeram mudanças em diversos setores e âmbitos. Com isso, em outubro de 2016, David Cearley, vice-presidente da Gartner, apresentou as dez principais tendências estratégicas para a área de TI para o próximo ano, conforme a figura ao lado.

O executivo dividiu essas tendências em três grandes grupos: “tecnologias que levarão inteligência a todas as partes, como inteligência artificial (AI) e aprendizado de máquina; tecnologias que promoverão a interconexão do mundo digital com o mundo real; e as plataformas e serviços necessários para entregar toda essa inovação para os usuários finais.”

(Clique na imagem para ampliar)

Buscar as soluções de problemas e necessidades, estar alinhado às tendências tecnológicas e desenvolver inovações, envolve incorrer em grandes riscos e incertezas. Diante disso, os instrumentos financeiros de apoio à inovação chegam para gerar um ambiente favorável ao desenvolvimento de novas pesquisas.

Na área de TIC destacam-se dois mecanismos de apoio indireto à inovação tecnológica: a Lei do Bem e a Lei de Informática. Com relação ao apoio direto, também existem instrumentos com linhas específicas para captação de recursos nesse setor.

Com relação à Lei do Bem, vale ressaltar o crescimento do setor de software em 2014, que passou de 98 empresas habilitadas, em 2013, para 141, de acordo com dados do MCTIC. Na Lei de Informática, o número de empresas participantes saiu de 489 em 2013 para 510 em 2014.

Diante dessas oportunidades, do aumento da participação do setor, do contexto de constante evolução de TIC, a Inventta+bgi busca sempre aproximar-se dos eventos do setor para se inteirar sobre os resultados de pesquisas e do desenvolvimento de projetos no contexto da indústria e da academia.

 

 

Ir para o topo

Contato

Tem alguma dúvida? Estamos aqui para ajudar!

Entre em contato